terça-feira, 18 de outubro de 2011

O TRÍPLICE PODER

Donzela
A donzela é representada pela lua crescente, é o aspecto jovem da Deusa. Põe à mostra nosso lado independente, irreverente, sendo a virgem, mas não virgem no sentido sexual como usado atualmente, pois o conceito de virgindade para os antigos era a mulher que ainda não havia contraído matrimônio.
É a dona do amor livre ou puramente sexual, a nossa parte criativa e descomprometida, a inocência de nossa personalidade, plena de alegria de viver, sendo associada com a Primavera, onde celebramos  Ostara.
Podemos das vários nomes a essa face da Deusa. No Panteão Greco-Romano, ela é representada por Ártemis e Diana. Dentro do círculo dos mitos que compõem a saga arthuriana é Ninniane, também chamada Nímue, Perséfone e Proserpina, cujo nome significa Donzela. Nos mitos celtas, é conhecida por Rhianon, donzela saída do inframundo que tem relação com  Perséfone.
A Deusa de face tríplice  se mostra muito além das fases da Lua ou dos diversos arquétipos da Deusa.  Ela é parte de nós e parte do mundo em que vivemos. Somos e habitamos no Corpo da Deusa.
As cores associadas à Donzela são o rosa e o branco. As Flores são principalmente silvestres e os animais que a simbolisam são os cervos. Devemos invocar esse aspecto da Deusa quando queremos renovar algo ou adquirir o novo.


Mãe
A imagem de Mãe como eterna doadora de vida foi uma das primeiras representações religiosas que se tem notícias. Antes que os deuses patriarcais posteriores, a deusa era reverenciada em seus aspectos de criadora.
Em estudos sobre as religiões comparadas nos tráz a amplitude e extenção de seu culto, é a face da Deusa que é mais conhecida e reverênciada, por ser a deusa doadora da vida.
Tudo provinha da terra essa que por sí só vicejava. Para os homens da pré-história era muito intrigante o fato de como as mulheres podiam dar a luz.
Encotramos nas escavações realizadas em cavernas como Lascaux, por exemplo, pinturas rupestres de mulheres grávidas, entalhes em paredes, simbolizando a vulva. Símbolo também descoberto esculpido sob tumbas, como para prometer o renascimento a partir do corpo divino.
São igualmente afirmações do Sagrado Feminino, as estátuas de mulheres nuas com seios abundantes segurando serpentes, as configurações de mulheres sempre com os contornos acentuados, simbolizando a fertilidade.
Existem numerosos exemplos deste aspecto da Deusa:
Demeter entre os gregos é encarregada da fertilidade da terra e das colheitas. Esta intimamente relacionada à Perséfone ou Proserpina, um aspecto da Donzela Gaia, anterior até a própia mitologia Grega e que representa a Terra. Foi ela quem deu a Luz aos Titãs.
Curiosamente hoje em dia se dá o nome à terra de Gaia novamente.
Isis para os Egipcios, chamada também a Grande Mãe Criadora e Doadora da vida, e também associada à Lua.
Badb na Irlanda, a Mãe da Divindade, junto a Anu e Macha, possuía um caldeirão Mágico como símbolo do ventre sagrado. Era também conhecida por acertar em suas profecías.
Freya na mitologia nórdica, considerada a lider de Disir, as Matriarcas divinas. Intimamente está  ligada a magia e um de seus atributos é a  abilidade de voar.
Em algumas das imagens mitológicas habituais a visão da Mãe criadora se une a da destruidora, isso acontece pelo referencial de que a Mãe Natureza consegue ser ampla em suas faces.
Às vezes é díficil diferenciar essas faces, mesmo sendo distintas elas se entrelaçam, como uma imagem única de uma deusa única. A Mãe é associada à Lua Cheia, sendo a deusa das colheitas, velando pela fertilidade tanto das mulheres quanto a dos animais e de toda Natureza em geral.
 A principal festa na Roda do Ano em que celebramos a Deusa Mãe é o Imbolc. A cor é o roxo, e os animais associados à Deusa Mãe são o Gato, a  Pomba e o Golfinho. Devemos invocar esse aspecto da Deusa quando queremos algo relativo a maternidade, proteção, casamento adquirir paz interior, desenvolvimento espiritual, intuição e dons psíquicos.

A Anciã
A Donzela nos fala do começo, a Mãe da maturidade e a Anciã nos faz pensar no final. Este é um dos aspectos mais difieis de entendermos, ou melhor, de aceitarmos dentre as Faces da deusa Tríplice. Essa face que nos leva inevitavelmente a contamplarmos a Morte e a nossa Sombra.
A Anciã foi reverenciada nas antigas culturas como regente do Inframundo, visto,  nessa época, como um lugar de descanso das almas entre as encarnações, antes de voltar ao plano terreste.
As associações posteriores que se deram em nome do inframundo, pelas religiões de revelações, como Cristãos e Judeus, mostram esse inaframundo como inferno associando essa Deusa ao Demônio e ao Mal, por eles também inventado.
Morrer é como nascer, algo inevitável.
Para uma vida cíclica, tudo na natureza é assim.  Porque seriamos, nós, Humanos diferentes? As sementes precisam morrer para germinar, os animais mais velhos morrem para dar lugar aos seus filhotes, as chuvas em tempestades arrasam cidades, mas essa mesma chuva faz a terra germinar.
Essa face Bem e Mal, se mostra mais visivelmente na face da Anciã.
A função desta face da Deusa é nos preparar para um renascimento muito mais do que para a morte em sí.
Para a bruxaria em geral, seja qual for a Tradição, usar este aspecto da deusa é uma das coisas mais dificeis, por simplesmente ser muito dificil para cada um de nós lidarmos com a nossa Sombra. Muitos vêem  a Anciã como a lua Minguante, mas, a Anciã também pode ser vista como sendo a lua nova. É o momento para olharmos para dentro de nós e descobrirmos nosso lado Negro, e sabermos lidar com ele, não o renegando, mas o acolhendo e entendendo e aprendendo a usa-lo para nosso própio bem.
Como em todas as faces existem muitos nomes para a Deusa Anciã:
Hécate para os Gregos, chamada na Idade Média como a Rainha das Bruxas, era uma deidade do Inframundo e da Lua.
Hel é a deusa Germânica do Inframundo, à ela todos retornavam após a vida fisica ter acabado.
Morrigan, deusa do Mortos como era conhecida na Bretanha, Gales e Irlanda, era quem também regia as batalhas.Tinha o aspecto Tríplice em sí mesma também sendo chamada de Três Morrigans.
Nephthys para os Egipicios, esposa de Seth e regente de Inframundo, Mãe de Anubis, deus da cabeça de Chacal que Guía os Espiritos em sua viagem até o Mundo dos Mortos.
A Lua nova como face Deusa teria como suas cores: o preto, azul profundo e violeta mais escuro. A estação no ano é o inverno e seus animais são o lobo o corvo e o burro.
O festival correspondente é claro o Samhain o festival dos Mortos. Devemos invocar este aspecto da Deusa quando precisamos lidar com relacionamentos que estão acabando, menopausa, descanso e calma para depois adentrarmos em novos projetos, proteção tanto para o corpo físico quanto para a alma, comunicação com os espirítos guia.
Postar um comentário