terça-feira, 18 de outubro de 2011

BRUXAS

A Bruxa Solitária

Primeiro, uma dica: reflita bastante antes de virar uma bruxa solitária. A bruxa solitária é aquela que trabalha sozinha, ou então com seu parceiro(a). Por ser solitária, ela opta por qualquer coisa, e tem o poder de decisão quanto ao tipo de ritual, vestimenta, etc. É ela que invoca e faz tudo sozinha num ritual, em spells, etc. Muitas bruxas solitárias são muito ecléticas, dependendo de sua tradição. Algumas são extremamente radicais, mas isso varia de bruxa pra bruxa.

Praticar bruxaria solitária é um pouco triste, exatamente pelo nome, que dá uma idéia: sozinha. Não há com quem compartilhar seus conhecimentos, ou mesmo uma ajuda para se fazer um ritual. Você trabalha sozinha, por si própria e desempenha todos os papéis de um coven completo. Mas nada a impede de mais tarde, fazer parte de um Coven ou mesmo, criar um coven, o que é muito interessante.

O que é uma bruxa?


São pessoas que vivem com princípios pagãos e adotam o extraordinário como parte integrante de suas vidas. São pessoas que optaram por ter uma vida diferente, que reverenciam a natureza e os elementos e não tem medo de se assumirem como são e nem vergonha de serem como são.

Hoje, as pessoas falam muito sobre Bruxaria, mas o real sentido, o verdadeiro significado elas desconhecem. Infelizmente perdeu-se o verdadeiro significado, e é confundida com satanismo e Magia Negra.

A natureza é o templo da Bruxa, e neste templo se pratica o grande culto à Deusa, que é representada pela Lua.

As Bruxas não adoram o diabo e nem praticam o mal, pelo menos as verdadeiras Bruxas!

Ser Bruxa também é ser feminina, afinal quem não gosta de um pouco de sedução? Ser Bruxa é reconciliar o masculino e o feminino. É encontrar a verdadeira essência que está dentro de nós! É aceitar o Deus e a Deusa em seu coração, é acreditar, respeitar, amar a Natureza, perdoar e, acima de tudo, amar...


Deusa

A Deusa foi a primeira divindade cultuada pelo homem pré-histórico. As suas inúmeras imagens encontradas em vários sítios históricos e arqueológicos do mundo inteiro representavam a fertilidade - da mulher e da Terra. Por ser a mulher a doadora da vida atribuiu-se à Fonte Criadora Universal a condição feminina e a Mãe Terra tornou-se o primeiro contato da raça humana com o divino.
Mas afinal, quem é essa Deusa? Só o fato de termos que fazer essa pergunta demonstra o quanto nossa sociedade ocidental formada sob a égide da mitologia judaico-cristã se afastou de nossas origens. Fomos criados condicionados por uma cosmologia desprovida de símbolos do Sagrado Femini
no, a não ser Maria, Mãe Divina, que não tem os atributos divinos, que são reconhecidos apenas ao Pai e ao Filho e é substituida na Trindade pelo conceito de Espírito Santo. Maria é, quando muito, a intermediária para a atuação dos poderes do Deus... "Peça à Mãe que o Filho concede..." Mas Maria não é a Deusa, senão um de seus aspectos mais aceitos pela sociedade patriarcal, de coadjuvante do Deus, reproduzindo o fenômeno social do patriarcado em que a mulher auxilia o homem, mas sempre lhe é inferior e, por isso, deve submeter-se à sua autoridade.
              
Porém, na Antigüidade a Deusa era poderosa. Entre os egípcios, era chamada de Nuit, a Noite. "Eu sou o que é, o que será e o que foi”. Para os gregos era Gaia - Mãe de tudo, inclusive de Urano, o Céu. Entretanto, ela não era apenas fonte de vida, como também senhora da morte. O culto a Grande-Mãe era a religião mais difundida nas sociedades primitivas. Descobertas arqueológicas realizadas em sítios neolíticos testificam a existência de uma sociedade agrícola pré-histórica bastante avançada, na região da Europa e Oriente Médio, onde homens e mulheres viviam em harmonia e o culto à Deusa era a religião. Não há evidências de armas ou estruturas defensivas, onde se conclui que esta era uma sociedade pacífica. Também não há representações, em sua arte, de guerreiros matando-se uns aos outros, mas pinturas representando a natureza e uma grande quantidade de esculturas representando o corpo feminino.

          Essas esculturas também foram encontradas em Creta, datadas de 2.000 a.C. Na sociedade cretense as mulheres exerciam as mais diversas profissões, sendo desde sacerdotisas até chefes de navio. Platão conta que nesta sociedade, a última matrifocal de que se tem notícia, toda a vida era permeada por uma ardente fé na natureza, fonte de toda a criação e harmonia.

Fonte de pesquisa:
Postar um comentário