quinta-feira, 17 de novembro de 2011

CALENDÁRIO XAMÂNICO




Calendário Sagrado do Xamanismo

“Um dos principais legados culturais dos xamãs ancestrais foi seu
Calendário Sagrado, que nos remete a pensar em nosso atual modo de viver,
sob a égide do “tempo artifical”, dessacralizador e desumanizador. ”
[KRONN]
Os xamãs ancestrais dividiam o ano em basicamente quatro partes, equivalentes aos Solstícios e Equinócios,

 adicionando festivais, festas religiosas e consagrações aos Deuses, em datas definidas astrologicamente,
 segundo condições lunares e solares.

Não apenas os eventos naturais eram celebrados, como também eventos mitológicos, qualidades e
acontecimentos de importância interior eram também acrescentados ao Calendário Sagrado dos xamãs
 ancestrais, aumentando o simbolismo do ano. A quantidade de atributos inseridos em cada data do
 calendário é praticamente infinita: datas importantes, ventos, plantas, cores, pedras, totens e animais,
 são apenas algumas das possibilidades.

Originalmente, vigoravam da Índia cerca de trinta calendários, em função da região e religião.
Mesmo com a Reforma Nacional do Calendário Indiano, unindo todos os calendários em apenas um,
 formalizado no ano de 1957 da era atual, o Calendário Sagrado do Xamanismo Ancestral ainda é um dos únicos
 que mantêm-se intactos até hoje, sem alterações impactantes.

O novo calendário adotado pelo Governo Indiano, fez com que os anos fossem contados seguindo os mesmos
critérios do Calendário Muçulmano e o Calendário Gregoriano, salvo que a contagem dos anos, meses
 e dias ainda sustentam a mesma base do Calendário Sagrado.

Ficou estabelecido pelo Governo Indiano que o dia 1º. de Chaitra de 1879 da era Saka seria a de 22
 de março de 1957 dC, data que passou a marcar o Ano Novo Indiano, coincidindo exatamente,
 com o Festival do Equinócio de Outuno, que marcava o início do Ano Novo para os xamãs ancestrais.

O Calendário Indiano possui doze meses. O primeiro mês, Chaitra, tem trinta ou trinta e um dias.
 Depois dele seguem-se cinco meses consecutivos com trinta e um dias e, depois, seis meses de trinta dias.
 Os anos bissextos ocorrem nos mesmos anos em que ocorrem no Calendário Gregoriano e, por isso,
 os dois calendários mantêm-se sincronizados.

Como já mencionado, o Calendário Sagrado é a base do Calendário Indiano, que da mesma maneira,
 o ano está dividido em quatro estações, as quais são subdivididas. Cada uma dessas divisões, que
não correspondem exatamente aos nossos meses modernos, do Calendário Gregoriano, indica tanto
 as alterações no ano agrícola como nos ciclos do Sol e da Lua. Os nomes originais e seus significados,
duração dos meses e início, conforme encontrado no Calendário Sagrado, são os seguintes:

* Data de início e nome dos meses do Calendário Gregoriano.

Esses meses refletem claramente a passagem do ano, algo que, como xamãs, precisamos conhecer profundamente,
portanto, devemos estudar a tabela acima e tentar memorizá-la. Importante observar, que o dia 21 de março,
 marca a entrada do Equinócio de Outono e no dia seguinte, 22 de março, o Ano Novo dos xamãs ancestrais.

Não podemos esquecer, que o Calendário Sagrado do Xamanismo Ancestral é válido para o Hemisfério Sul,
 podendo ser aplicado também no Hemisfério Norte, desde que as datas sejam recalculadas adequadamente.

Os eventos, festivais, celebrações, e datas especiais, divididos entre os meses do Calendário Sagrado, são os seguintes:
CHAITRA - Tempo dos Ventos

O mês de Chaitra vai de 22 de março à 20 de abril.

A véspera de Chaitra marca a entrada do Equinócio de Outono, dia 21 de março, o Ano Novo dos xamãs
 ancestrais e dos indianos. Este mês tem como guardiães os Silfos, elementais do Ar.
 Quando chove e venta muito à noite, dizem que são os Silfos festejando a entrada do Novo Ano.
 A chuva de Chaitra é rica em magia.

1º. de Chaitra / 22 de março:
Celebração da Passagem do Ano Novo Ancestral.

11 de Chaitra / 1º. de abril:
Festival da Deusa Kaly na Índia.

17 de Chaitra / 7 de abril:
Rama Navami – Festa de aparecimento do Senhor Sri Ramachandra.

20 de Chaitra / 10 de abril:
Dia de Surya, Festival e Dança do Sol.

24 de Chaitra / 14 de abril:
Festival da Deusa Maryamma.

27 de Chaitra / 17 de abril:
Festival de Machendrana, Deus da Chuva.

* Lua Nova de Chaitra:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.
VAISAKHA - Queda das Sementes



O mês de Vaisakha vai de 21 de abril à 21 de maio.

Os guardiães deste mês são os Elfos, que adoram dançar ao som de músicas alegres com flauta.
Ouça esse tipo de música antiga e oriental e deixe um pedaço de bolo de chocolate ou mel com um copo de leite em um canto.
Os Elfos nos trarão não só boa sorte e alegria como também sonhos proféticos.

2 de Vaisakha / 22 de abril:
Dia da Mãe-Terra, Festival da Queda das Sementes.


9 de Vaisakha / 29 de abril:
Dia da Árvore, Festa do Plantio.

12 de Vaisakha / 2 de maio:
Festa de aparecimento de Sri Sankaracarya.

16 de Vaisakha / 6 de maior:
Festa de aparecimento de Srimati Sita Devi (consorte do Senhor Ramachandra).

22 de Vaisakha / 12 de maio:
Nrisimha Caturdasi – Festa de aparecimento do Senhor Nrisimhadeva. Festival Anual de Aranya Sashti, Deus da Floresta.

23 de Vaisakha / 13 de maio:
Buddha Purnima (Wesak) – Festa de aparecimento do Senhor Buddha.

* Lua Nova de Vaisakha:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.

JYAISTHA - Tempo da Meditação

O mês de Jyaistha vai de 22 de maio à 21 de junho.

Como Jyaistha é o mês das mulheres, uma boa pedida é homenagear a Mãe-Terra.

 Conhecida em algumas culturas como Gaya, ou Grande Mãe, a Mãe-Terra é o princípio da criação.
Para equilibrar as energias e despertar ou fortalecer o princípio dentro de nós, este mês é ideal para nos vestirmos de
 verde e entrarmos em contato com a natureza.

16 de Jyaistha / 6 de junho:
Ganga Puja, Celebração à Deusa do Ganges. Sri Baladeva Vidyabhusana, Festa de desaparecimento do Senhor Balarama.

31 de Jyaistha / 21 de junho:
Festival de Solstício de Inverno.

* Lua Nova de Jyaistha:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.

ASADHA - Tempo das Monções

O mês de Asadha vai de 22 de junho à 22 de julho.

A véspera de Asadha marca a entrada do Solstício de Inverno, dia 21 de junho. Mês da união entre os opostos,

 de equilíbrio e amor. Uma curiosidade sobre este mês é que a ele é consagrada a borboleta, símbolo de transformação.
Acredita-se que se alguém conseguir ver ao menos uma borboleta por dia durante este mês, será contemplado com muita boa sorte.

4 de Asadha / 25 de junho:
Teej - Honra à Parvati, Festa para meninas e mulheres.

5 de Asadha / 26 de junho:
Gundica Marjana.

9 de Asadha / 30 de junho:
Hera Pañchami.

* Lua Nova de Asadha:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


SRAVANA - Tempo de Ficar em Casa

O mês de Sravana vai de 23 de julho à 22 de agosto.

Sravana é um mês de muito poder na magia. Acredita-se que todos os rituais feitos neste mês são bem sucedidos.

Os elementais que guardam este mês são os Duendes, protetores dos bosques.
Se oferecermos maçãs em agradecimento aos cinco meses que se passaram, eles nos agradecerão dando sorte aos meses
 que ainda faltam para acabar o ano. Boa sorte!

4 de Sravana / 26 de julho:
Kachina, Festa dos Ancestrais.

14 de Sravana / 5 de agosto:
Festival de Radha Govinda Jhulana Yatra.

18 de Sravana / 9 de agosto:
Festival dos Espíritos do Fogo.

25 de Sravana / 16 de agosto:
Sri Krishna Janmastami: Festa de aparecimento do Senhor Sri Krishna (O Grande Espírito).

* Lua Nova de Sravana:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


BHADRA - Tempo da Introspecção

O mês de Bhadra vai de 23 de agosto à 22 de setembro.

O girassol é a flor consagrada a este mês, segundo antigas tradições, e acredita-se que dá muita sorte e

 atrai a fortuna dar ou receber esta flor durante o mês de agosto.

6 de Badra / 28 de agosto:
Dia de Ganesha. Deus da prosperidade e fartura.

7 de Bhadra / 29 de agosto:
Srimati Sita Thakurani – Festa de aparecimento de Sri Advaita.

10 de Bhadra / 1º. de setembro:
Festival de Radha, dedicado à Deusa Lakshmi: aquela que dá aos mortais a fortuna, abundância nas colheitas e personificação da beleza.

14 de Bhadra / 5 de setembro:
Festival de Ganesha.

30 de Bhadra / 21 de setembro:
Festival de Equinócio de Primavera.

* Lua Nova de Bhadra:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


ASVINA - Aparição dos Brotos

O mês de Asvina vai de 23 de setembro à 22 de outubro.

A véspera de Asvina marca a entrada do Equinócio de Primavera, dia 21 de setembro.

Neste mês inicia a Primavera, estação das flores, cujo Equinócio marca o momento em que a luz ainda está em
equilíbrio com a escuridão, mas já se prepara para crescer, marcando magicamente a chegada de um novo tempo.
Kamadeva, o Deus do Amor, é homenageado em Asvina. Acredita-se que os amores nascidos neste mês duram para sempre.

8 de Asvina / 30 de setembro:
Ritual da Deusa Durga, um dos aspectos de Parvati (consorte de Shiva).

10 de Asvina / 2 de outubro:
Dia dos Espíritos Guias. Festa de aparecimento de Sri Madhvacarya.

15 de Asvina / 7 de outubro:
Ritual da Deusa Lakshimi, a Deusa da Fortuna. Preparação para o Festival das Luzes.

24 de Asvina / 16 de outubro:
Festival das Luzes. Lakshimi também é Deusa da Beleza e do Amor e acredita-se que quem a celebra hoje terá muita

sorte nos caminhos do amor. Acenda cinco velas unidas em círculo, untadas uma a uma com óleo de rosas.
Peça à Deusa que abra seus caminhos no amor e ilumine seu coração com luz, sabedoria e magia.

* Lua Nova de Asvina:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


KARTIKA - Tempo do Brilho



O mês de Kartika vai de 23 de outubro à 21 de novembro.

Este é um mês rico em magia. Mesmo na Antigüidade, acreditava-se que Kartika era o mais mágico dos meses e que a

 Mãe-Terra transformava seus seres mágicos em formigas, borboletas e outros insetos que deveriam espionar
 os humanos para saber se eles mereciam sua ajuda. Daí nasceu o hábito de colocarem-se pratinhos de açúcar
pela casa para agradar esses "espiões" mágicos.

1º. de Kartika / 23 de outubro:
Ritual de Govardhana, também conhecido como Go Puja e Go Krda.

2 de Kartika / 24 de outubro:
Festival dos Espíritos do Ar.

9 de Kartika / 31 de outubro:
Festival de Desehra, celebrando a batalha de Rama e Kaly contra o demônio Ravana.

14 de Kartika / 5 de novembro:
Tulasi-Saligrama Vivaha, Celebração de Tulasi, a planta que é adorada pelo Xamanismo Ancestral.

19 de Kartika / 10 de novembro:
Celebração de Kaly, destruidora do mal.

25 de Kartika / 16 de novembro:
Festival da Deusa da Fortuna.

* Lua Nova de Kartika:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


AGRAHAYANA - Tempo do Cavalos




O mês de Agrahayana vai de 22 de novembro à 21 de dezembro.

Acredita-se que neste mês todo tipo de criatura dos mundos mágicos visitam o mundo dos mortais,

facilitando todas as formas de magia. Pelas antigas tradições, é também o momento em que os Deuses do Amor
 reúnem-se para decidir o destino amoroso dos mortais e, por isso, Agrahayana é um mês de muitos encontros.
Considerado pelas antigas culturas como um período do entre mundos, Agrahayana é um momento de refletir sobre a
vida e seus sentidos mais profundos. Muitos rituais relacionados a portais eram feitos nesse período, pois durante todo
 o mês as criaturas espirituais ainda transitam entre nós.

6 de Agrahayana / 27 de novembro:
Festa de Parvati Devi, Honras à Deusa Tripla. Celebra-se hoje o amor de Parvati (Mãe-Terra) por Shiva (Pai-Céu).

11 de Agrahaya / 2 de dezembro:
Festival de Shiva. Pai do Xamanismo Ancestral e Deus Hindu da dança e do movimento e simboliza o ciclo do início e fim.

28 de Agrahaya / 19 de dezembro:
Pongol. Festa de Sarasvati.

30 de Agrahayana / 21 de dezembro:
Festival de Solstício de Verão.

* Lua Nova de Agrahayana:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


PAUSA - Tempo da Reivindicação

O mês de Pausa vai de 22 de dezembro à 20 de janeiro.

A véspera de Pausa marca a entrada do Solstício de Verão, dia 21 de dezembro. Este mês era considerado sagrado

pelos xamãs ancestrais, e muitos festivais eram realizados neste período. Pausa traz em seu ventre a Mãe-Terra e
todas as suas manifestações femininas. Devemos nos abrir para a magia de Pausa, aumentando a conexão com a natureza e nosso lado feminino.

10 de pausa / 31 de dezembro:
Festividade de Passagem do Tempo.

22 de Pausa / 12 de janeiro:
Makara-Sankranti, Festival do Sol.

24 de Pausa / 14 de janeiro:
Sri Krishna Pusya Abhiseka.

* Lua Nova de Pausa:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


MAGHA - Tempo da Decisão



O mês de Magha vai de 21 de janeiro à 19 de fevereiro.

Este é o mês em que devemos estar cientes de nossa missão evolutiva neste mundo, não só como seres

 individuais, mas como espécie. Devemos nos esforçar para crescermos espiritualmente, nos tornar realmente
 pessoas melhores e o mundo também o fará, pois tudo faz parte de um plano perfeito em que uma coisa, por mais
 insignificante que pareça, interfere nas outras. Usemos esse mês para aumentarmos essa chama de caridade e amor,
 mas é nossa obrigação mantê-la acesa durante toda a vida!

9 de Magha / 29 de janeiro:
Ganga Kumbha Mela. Festividade à Deusa Ganga. Diversas cerimônias de agradecimento são realizadas nas margens

 do rio Ganges com a utilização da bebida sagrada amrita.

13 de Magha / 2 de fevereiro:
Vasanta Pañcami.

16 de Magha / 5 de fevereiro:
Festa de Bhismastami. O avô dos Pandavas e comandante da guerra de Kurukshetra.

20 de Magha / 9 de fevereiro:
Varaha Dvadasi, Festa de aparecimento do Senhor Varahadeva.

21 de Magha / 10 de fevereiro:
Nityananda Trayodasi, Festa de aparecimento do Senhor Nityananda Prabhu.

28 de Magha / 17 de fevereiro:
Dia de Kaly.

* Lua Nova de Magha:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.


PHALGUNA - Tempo da Canção



O mês de Phalguna vai de 20 de fevereiro à 21 de março.

Este é o mês que devemos aproveitar para realizarmos diversos rituais aos quatro elementos e ao Deus Sol,

cantarmos e agradermos ao Pai-Céu e a Mãe-Terra pelo dom da vida. Note que nenhum ritual deve se sobrepor
 em importância ao outro. Deve haver um equilíbrio entre eles em nossas vidas, para que sempre exista harmonia.

8 de Phalguna / 27 de fevereiro:
Mahashivaratri, Celebração Especial ao Deus Shiva.

23 de Phalguna / 14 de março:
Gaura Purnima, Festa de aparecimento do Senhor Gauranga Mahaprabhu.

30 de Phalguna / 21 de março:
Festival de Equinócio de Outono e Réveillon Ancestral.

* Lua Nova de Phalguna:
Shivaratri (Shiva Puja), Vigília ao Pai do Xamanismo Ancestral.



 
Postar um comentário